Conversando muitas vezes com as pessoas, sinto que muitas vezes fica difícil conversar sobre amplificadores, por isso resolvi começar pelo básico. Aos poucos vou dando algumas explicações em cima de um material que eu estou montando para uma Webinar aqui do Lab. Além da Webinar, quero deixar isso registrado aqui. E quem sabe futuramente até publicar um livro sobre o assunto (tá pode ser um Paper pra todo mundo baixar na net) já que a informação destas belezas está morrendo conforme os antigos (com MUITÍSSIMO respeito) detentores dessas informações se vão...

 

Bom é isso.. inicialmente, tem um pequeno e simples infográfico que eu fiz e que mostra muito de como funciona um amplificador, inicialmente vou mostrar o do amplificador classe AB ou PushPull, como também é conhecido:

 

Bom, resolvi começar pelo mais complexo. As partes basicamente são: 

 

1. Pré Amplificador - Serve para nivelar o sinal de entrada e casar a impedância com uma resolução de sinal suficiente para ser manipulada pelos próximos estágios de forma plena. Esta primeira etapa se constitui basicamente de um amplificador de tensão;

 

2. Após a saída do capacitor de acoplamento do primeiro estágio, temos (geralmente) um triodo configurado como seguidor de tensão, e na seqüencia um tone stack, que é onde o usuário poderá modelar as características de timbre do seu som (Graves, médias e agudos), na seqüencia indo para um outro estágio de seguidor de tensão, outro triodo (geralmente) que por sua vez deixa o sinal pronto para o estágio de divisão de fase;

 

3. Phase-Splitter ou Divisor de Fase. Este estágio serve para separar o sinal em duas linhas distintas, as de banda positiva e as de banda negativa. Geralmente com uma rede de resistores para ajustar o offset do sinal e conseguir o melhor equilibrio entre as duas fases;

 

4. Neste estágio temos a amplificação realmente acontecendo, é aqui que entram as famosas válvulas de potência.. e diferente dos amplificadores transistorizados, é aqui que acontece a saturação do sinal para se conseguir distorção no som. Somente para comentar, nos amplificadores transistorizados, geralmente a distorção é manipulada no pré-amplificador. Até então, nós temos o sinal amplificado para algo muito perto da tensão de alimentação total do circuito, geralmente algo perto de 400 volts para este tipo de amplificador. É ... dá choque e dói muito, eu sou testemunha por várias vezes! Essas válvulas geralmente são válvulas Pentodo;

 

5. Com o sinal amplificado, é necessário casar a impedância com uma saída para um transdutor, ou alto-falante, geralmente para algo na ordem de 4, 8 ou 16 Ohms. A saida dessas válvulas apresenta sinal com a impedância de 4000 a 7000, 8000 Ohms, dependendo da válvula de saída. Para isso temos um transformador de saída. O seu trabalho é transformar o sinal de alta impedânia em um sinal de baixa impedância para ser aplicado em um transdutor;

 

6. Transdutor ou alto-falante. É aqui que por processo mecânico acionado por um solenóide móvel, acoplado a uma estrutura de papel que o sinal elétrico vira som. A esse dispositivo damos o nome de alto-falante, o qual deve ser específico para a faixa de frequencias de uma guitarra. Alto-falantes de alta definição ou que cobrem todo o espectro de aúdio geralmente não dão bons resultados, funcionam, mas o resultado é um timbre não caracterizado. Existem alto-falantes específicos para aplicação em amplificação de Guitarra, Baixo e outros instrumentos musicais;

 

Por fim, temos a parte de baixo de nosso diagrama, conhecida (todos os itens da linha de baixo) como PSU, ou Power Supply Unit, ou unidade de suprimento de energia e nãos mais que comprovado na boca do povo conhecido vulgarmente como fonte.

Uma fonte deve ter algumas características, dentre elas, capacidade para suprir energia (tensão no caso de válvulas) de forma linear, estocar energia para picos de alto consumo (como sinais graves) e excelente filtragem para evitarmos a captação de ruídos da rede elétrica.

 

Bom é isso... Espero que gostem. Estou me planejando para fazer o mesmo esquema com amplificador single-ended, Até lá!

Exibições: 1794

Respostas a este tópico

Me diga uma coisa , ainda não entendi quais as vantagens de fazer um amplificador valvulado ?
No meu entender ele só vai ser maior , mais pesado , vai esquentar legal , e vai gastar muuuuito mais energia.
Possivelmente também vai sair mais caro !
Abração
Enio.

Enio,

 

Para guitarra só muda "tudo" ... estamos falando de outra questão aqui que chama-se timbre ... é coisa de músico louco sim! Admito ... mas é nítido a dificuldade em conseguir timbres quentes e respostas dinâmicas aceitáveis em amplificadores transistorizados... não estou falando de processadores digitais ok?

Em relação à peso e etc... concordo com você ... mas o quesito qualidade de som (no caso de guitarra) vale cada grama a mais e claro a dor nas costas em carregar tudo isso. No entanto, amplificadores de 15 a 25W valvulados já são mais que suficiente para as mais variadas Jams além de que hoje em dia usa-se microfonar o amplificador para jogar o sinal no P.A.. Em outras palavras, você não precisa fazer um amplificador de 150W que vai pesar MUITO e custar caro para se ter um timbre razoável de guitarra.

Por outro lado, existe uma vertente de uns anos pra cá que são os simuladores digitais de tais amplificadores valvulados. Existem uns bem interessantes... mas o som continua plástico, mesmo com resoluções excelentes no DSP.

Tem uma outra variante que é o que chamamos de músicos "OLD-SCHOOL" ... eu me considero deste maldito gênero. Maldito porque fica difícil achar o aceitável, e infelizmente qualidade é proporcional ao custo quando falamos de áudio, e neste caso não estou falando só de guitarra.

Por outro lado ... meu intuito em explicar isso com válvulas é didático, para quem interessar ... para passar isso para transistor é muito fácil e rápido ... 

Sei também da dificuldade da geração "arduíno" (antes que me joguem tomates, eu não estou sendo pejorativo ok?) em lidar com eletrônica de baixo nível ou eletrônica discreta. Hoje em dia é tudo muito pronto, tudo muito modularizado e a maioria mal sabe o que rola dentro de um simples LM386. A idéia é começar a desmistificar isso. Pelo menos pra mim é o que interessa.

 

Enjoy!

 


Enio Benatti disse:

Me diga uma coisa , ainda não entendi quais as vantagens de fazer um amplificador valvulado ?
No meu entender ele só vai ser maior , mais pesado , vai esquentar legal , e vai gastar muuuuito mais energia.
Possivelmente também vai sair mais caro !
Abração
Enio.

GOSTEI!

Parabéns pela forma pratica que descreu os estágios do AMP!

Deste jeito fica ainda mais interessante e ajuda muito no  raciocínio...

SUCESSO! Pena que faz um tempo que não tem atividade aqui...Ressuscitei um post...

RSS

Destaques

Registre-se no
Lab de Garagem
Clicando aqui

Convide um
amigo para fazer
parte

curso gratis de arduino

© 2018   Criado por Marcelo Rodrigues.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço