Forma correta de utilizar um isolador-optico.

Pessoal, estou montando uma placa que terá comunicações na faixa máxima de 100khz entre um computador e uma maquina. Ambos terão nível lógico 5v - 0v, só estou um pouco confuso entre os isolamentos (opto-acoplados?):

O esquema de cima inverte o sinal, possivelmente terei que utilizar algum buffer (possivelmente um 74hc132) para 'desinverter'. O de baixo não inverte, mas o sinal está sendo enviado pelo emissor do transistor... teria algum problema na segunda opção? Ou talvez uma versão melhor?

Exibições: 624

Responder esta

Respostas a este tópico

Para 100KHz vale consultar as folhas de dados do 4N25, ele é um opto de tecnologia dos anos 80.

O pino 6 dele serve como escape da tensão acumulada na capacitancia interna do transistor receptor. O valor indicado que me lembro é 470K (R1) para gnd.

Consulte sempre o manual do componente, ex:

http://optoelectronics.liteon.com/upload/download/DS-70-99-0010/S_1...(26).pdf

Na fig 10 vc pode ver um gráfico de resposta em frequencia. Lá da para ver que para 100KHz com resistor de carga de 10K não funciona. Vc teria que usar 1K (R3).

De qq jeito gastar uma inversora pra fazer essa inversão não é uma boa. Use o circuito 2.

Então Eduardo, o 4n25 possivelmente não ira chegar nessa velocidade, muito no máximo chegará a 50khz.

Para as linhas de maior velocidade irei utilizar o 6n137.

O que consegui entender, é que utilizando o emissor como saída de sinal(emissor comum?) o valor de R3 atrapalha para abaixar e erguer o nível lógico da saída, com isso se torna um pouco mais lento. A minha ideia é utilizar o segundo esquema mesmo, mas fico meio receoso de começar a ter problemas. Vou ver se consigo simular em uma protoboard (meu problema é não ter um osciloscópio) e testes ao olho não são muito confiáveis.
O meu problema em utilizar uma porta inversora é que terei no total umas 17 linhas de comunicação, a maioria(12) é saída(9 de alta velocidade 100khz) e algumas são entradas(5).

De fato, como o José Gustavo Abreu Murta disse, o 4N35 é melhor que o 4N25, o 6n137 não conheço. Aqui usamos muito a linha PC817/PC814, que é comercial.

Perceba que o industrial e acadêmico tende a usar o 4N25 ou TIL111 mas vc "nunca" encontra um equipamento de uso comercial com um desses dentro. Vc encontra o PC817... Abra um microondas pra ver.

Enfim, nem sei se ele te atende em função da frequencia tb.

Sobre o comentário de R3, em frequencia o problema é que o transistor receptor precisa ter uma área relativamente grande. Área grande em um transistor significa capacitancia interna, que significa lentidão. Imagine que é um RC onde o R é a carga e o C a capacitancia interna do transistor. Quanto menor o R mais rápido será o corte do transistor.

Por isso para frequencias maiores se recomenda resistores de carga menores e tb pode ser adicionado o resistor no pino 6. Não tenha medo de usar por ex 1K ou 470R do opto ao terra do lado do transistor, eles aguentam (em 5V).

Não conecte o diodo do opto-acoplador diretamente em uma porta digital . Conecte-o com um resistor para limitar a corrente. Por exemplo 470 ohms (para 5V) . Tem que calcular e testar a polarização do diodo.

Eu usaria o 4N35 e não o 4N25.

RSS

Destaques

Registre-se no
Lab de Garagem
Clicando aqui

Convide um
amigo para fazer
parte

curso gratis de arduino

© 2019   Criado por Marcelo Rodrigues.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço