Essa fonte ela utiliza um trafo de nobreak de output 127/220, mas eu utilizo o 127V na saída estar me dando 7V e 13,8V.

enfim estou usando entrando com 127V - 10A e estou usando a saída de 13,8V, no inicio e tem um somador de tensão desse somado sair um total de 35,6V senoidal positiva e senoidal positiva. coloquei uma ponte de díodo para 10A, ou um outro díodo que suporte essa corrente ex: 6A10, bom ratificado meu circuito consigo regular de 1,25 até 22V CC com meus potenciómetros.

coloquei dois tip 147 para somar corrente, esse é o problema quero regular a corrente também só que eu não sei como faço isso, vou colocar um amperímetro  e um voltímetro para eu regular e visualizar tanto a corrente quanto a tensão. fonte já testada so que me deparei com esse problema comprei alguém com um conhecimento mais avançado que eu para me ajudar neste circuito. 

Exibições: 283

Anexos

Responder esta

Respostas a este tópico

bom dia Andre.

     Sua descrição está um tanto confusa. Mas o esquemático que você postou, ajuda um pouco a decifrar o que exatamente você precisa implementar. Vou descrever o que entendi:  hoje você tem uma fonte de tensão, a qual tem uma saída entre 1,25V e 22V, ajustável em dois potenciômetros. Se sua fonte for exatamente como o esquema elétrico que você postou, então fica claro que um dos potenciômetros (o de 4.7k) é para ajuste "normal" da tensão, e o outro (o de 470 ohm) é para o ajuste "fino" da tensão de saída. E há dois transistores TIP 147 os quais são os drivers de potência para a tensão de saída da fonte. Inclusive, analisando as ligações destes dois TIPs, vê-se estão corretas. O regulador de tensão é o LM338T, e os diodos 1N4002 (D7 e D8) são para proteção deste LM338T. Esta é uma proteção contra corrente reversa excessiva proveniente de C4 e C5 quando a fonte é desligada, mas segundo o datasheet do LM338, ela só é necessária quando C4 e C5 tem valores muito altos (o que não é o seu caso, já no seu circuito C4 e C5 tem apenas 1uF).

      E o que entendi sobre o que você deseja implementar:   acrescentar à esta Fonte uma saída de corrente ajustável.

      Mas há informações faltando:  1) qual a faixa de corrente ajustável que você pretende ter na saída de corrente?  2) qual a tensão máxima de saída para esta fonte de corrente?

      Eu não sei qual seu conhecimento de eletrônica. Mas estou assumindo que você não conheça muito os conceitos relacionados à uma Fonte de Corrente. Assim, vou usar o conceito de Fonte de Tensão para ajudar você a entender os conceitos similares para uma Fonte de Corrente. Uma Fonte de Tensão, fornece uma tensão constante, à qual é entregue a uma carga qualquer. Mesmo que a tensão seja ajustável, ainda assim é uma Fonte de Tensão, pois uma vez ajustada,  a tensão se mantém constante e independente da carga conectada. Como essa carga possui uma resistência elétrica, digamos "R1", a corrente "i1" pela carga será i1=V/R1 , sendo "V" a tensão fornecida pela fonte. Se você muda a carga, e ela tem uma resistência "R2", então a corrente "i2" nesta carga será i2=V/R2. Como você pode perceber, nos dois casos a tensão é constante e igual a "V", porém em cada caso a corrente foi diferente e dependente da resistência elétrica da carga. Em outras palavras:  numa Fonte de Tensão, a tensão de saída se mantém constante, e a corrente de saída depende da carga. Uma consequencia disso, é que a Potência fornecida pela fonte será variável, e dada por: P=V*i, sendo "i" a corrente fornecida (e dependente da resistência da carga). Mas é claro que há um limite para a Potência fornecida, senão poderíamos "puxar" cada vez mais corrente (diminuindo a resistência da carga), e isso indefinidamente nos levaria a uma Potência infinita (o que não é possível). Logo, há um limite para a Potência máxima fornecida pela Fonte de Tensão, o que nos permite calcular a corrente máxima de saída, que será iMax= Pmax/V. Note na equação que "V" é o mesmo de sempre. E o que ocorre se você conectar cargas que tentem puxar mais corrente? simples: como a Potência da fonte tem um limite (Pmax), a tensão de saída começa a diminuir (olhe a equação e isto fica claro), deixando portanto de ser constante. Logo o que se conclui? também simples: que a tensão de saída de uma Fonte de Tensão, se mantém constante, desde que vc não ultrapasse a máxima potência fornecida pela Fonte.

    Para uma Fonte de Corrente ocorre um comportamento idêntico, porém quem se mantém constante é a corrente. Neste caso, é a tensão de saída que mudará, conforme a resistência elétrica da carga que você conectar à fonte, e o valor desta tensão será V=R*i, sendo "R" a resistência da carga, "i" a corrente constante da Fonte de Corrente. Note que a equação é a mesma de uma Fonte de Tensão constante, porém no caso de uma Fonte de Corrente quem se mantém constante é a corrente (e a tensão se ajusta conforme a resistência elétrica da carga). Mas afinal, nós podemos aumentar "R" indefinidamente e ainda assim a corrente se manterá a mesma? Obviamente que não, porque se isso ocorresse, a tensão de saída para uma carga "aberta" (fonte sem carga conectada), seria infinita para que a corrente se mantivesse a mesma, o que sabemos não é possível. Este comportamento ocorre exatamente pelo mesmo motivo que limitava a Fonte de Tensão: a Potência máxima fornecida pela fonte. Como P=V*i, se há uma potência máxima Pmax, o valor máximo da tensão de saída em uma Fonte de Corrente será Vmax= Pmax/i, sendo "i" a corrente constante da fonte. Quando a tensão de saída atinge esse valor Vmax, terá sido alcançado a Potência máxima da fonte, e a partir daí a corrente cai, não sendo mais o valor constante nominal.

    Sabendo estes conceitos e comportamentos das Fontes de Tensão e das Fontes de Corrente, permite a você calcular ou determinar os limites reais que serão possíveis de se obter na prática, quando se tem Fontes ajustáveis.

      Mas há uma implicação mais severa ainda destes conceitos: não há como você ter simultaneamente nos mesmos terminais de saída de uma fonte, tensão constante e corrente constante. Note que a palavra chave aqui é "simultaneamente". Isto porque se a tensão fosse constante e a corrente fosse também constante, qualquer carga conectada a esta fonte, teria sempre a mesma resistência elétrica, a qual seria R=V/i. Sabemos que isso não é possível, já que a resistência elétrica é uma característica intrínseca dos materiais e substâncias existentes na Natureza (e não são determinadas pelas tensões e correntes de uma fonte: estas resistências são o que são e ponto!!!).

     Logo, se sua intensão era ter uma fonte onde nos mesmos terminais de saída você ajusta a tensão e a corrente fornecidas, então vai ter que tentar projetar isso em uma outra dimensão espacial, onde talvez as leis da física sejam outras.

     Mas é possível ter uma Fonte de Tensão e uma Fonte de Corrente de forma simultânea, desde que não compartilhem exatamente os terminais. Desenhei junto ao circuito da sua Fonte de Tensão, um protótipo de uma Fonte de Corrente ajustável, e que é mostrada na região de cor verde na figura a seguir:

     A corrente é ajustável em "P1", e seu valor é "Ix", fornecida no conector marcado como "saída da corrente" (observe as polaridades + e -). Os valores dos resistores e capacitores descritos no circuito, são típicos e caso você deseje saber como eu os determinei, te explicarei em outro post.

     Observe que usei o TIP 147 como "driver" para a corrente de saída, já que você já estava usando este transistor. Assim como na sua fonte original, esse TIP 147 deve ser provido de dissipador.

     Note que o AmpOp (Amplificador Operacional) no circuito da fonte, é alimentado pela tensão "VF", e portanto tem que ser capaz de suportar essa tensão em condições normais. Provavelmente este é o ponto mais crítico desse projeto, já que a maioria dos AmpOp que existem por aí, não costuma trabalhar com tensões acima de 32V (e pelo que entendi, sua tensão "VF" é de 35,6V). Mas existem sim AmpOps capazes de trabalhar com tensões desse nível, mas são mais incomuns.

     Outro ponto importante, é que é desejável que o AmpOp seja do tipo "Output Rail to Rail", ou então que a sua tensão máxima de saída esteja dentro de 0,5V abaixo da tensão de alimentação. Esse valor piora com o aumento da corrente na saía do AmpOp, porém na configuração mostrada, essa corrente é muito baixa, principalmente porque o TIP 147 é do tipo "Darlington" com ganho HFE maior que 1000.

     O fato do TIP 147 ser "Darlington", também implica que a tensão base-emissor é bem maior que em transistores simples. Isso ajuda muito, pois para garantir o corte total do transistor, não é preciso que a tensão de saída do AmpOp esteja dentro de 0,5V abaixo da tensão de alimentação "VF", pois a tensão base-emissor do TIP é pelo menos o dobro desse valor.

     Um AmpOp que quase atende tudo isso, é o LM358. Porém a máxima tensão de alimentação do mesmo, é de 32V. Caso a tensão "VF" da sua fonte possa ser reduzida para estes 32V, então o LM358 pode ser usado. Estou mencionando o LM358 devido à sua imensa popularidade e baixo custo.

   E como determinar a corrente de saída? Não é complicado. Ela é determinada da seguinte forma:  Ix= (VF-Vc) / Rx.  Assim o que se precisa fazer, é primeiro determinar o valor máximo que se deseja para a corrente Ix. Com isso determinado, escolhe-se um valor característico para Rx (tipo 10 ohms, 5 ohms, 1 ohm, dependendo do valor máximo de Ix), e então se calcula o valor de "Vc", já que Vc=VF - (Ix*Rx). Esse valor calculado, é o valor mínimo de Vc, que dará a máxima corrente da Fonte de Corrente ajustável. Podemos chamá-lo de "VcMIN", e ele é exatamente o valor da tensão "Vy" sobre o resistor "Ry". Portanto, conhecido este valor "Vy", é possível calcular o valor de "Ry" e do Potenciômetro "P1", já que formam um divisor de tensão. A dica aqui é: escolha um valor adequado para "Ry" (exemplo: 10k, 47k, 100k), e então calcule P1 por divisor de tensão. Como P1 é um potenciômetro, não é preciso que ele tenha o "valor exato" calculado, e se esse valor for muito distante dos valores comerciais, basta alterar ligeiramente o valor de "Ry" e refazer o cálculo de P1 de forma a se obter um valor mais próximo aos comerciais. Atente que o valor de P1 determina a máxima corrente Ix e portanto procure evitar escolher um valor comercial maior que o valor calculado, justamente para que a corrente máxima Ix não ultrapasse o limite pretendido.

    A princípio pode parecer complexo, mas na realidade é muito simples. Assim não se intimide pela aparente complexidade. E se vc tiver alguma dúvida, estou à disposição para ajudar a esclarecer. Não se intimide pela aparente complexidade.

    Observações finais: veja que a "topologia" da Fonte de Corrente que mostrei na figura anterior, é do tipo para "Carga Aterrada", também chamada de tipo que "fornece" corrente. A característica dessa topologia, é que a carga é sempre ligada entre o GND ("terra" do circuito, que é o terminal "-" da saída da Fonte de Corrente) e o terminal "+" da saída (que é o coletor do TIP). Em outras palavras: a corrente é fornecida pelo terminal "+", passa pela carga, e retorna para o GND (o "-" da fonte de corrente). A única dificuldade dessa topologia, é que o AmpOp tem que ser alimentado pela tensão "VF", a qual pode ter valores mais altos (que é o seu caso).

    No entanto, se não for uma necessidade que sua carga seja "aterrada", vc pode usar a topologia de "drenagem de corrente". Esta topologia é mais comum e portanto a mais utilizada nos circuitos. O circuito é quase idêntico ao da topologia de "carga aterrada". No entanto há uma grande vantagem na topologia de "drenagem de corrente":  o AmpOp pode ter alimentação completamente diferente da tensão "VF". Por exemplo, na topologia de "drenagem de corrente" você pode estar usando o seu valor de 35,6V para "VF", e o AmpOp ser alimentado com apenas 5V. Então isso facilita enormemente escolher um AmpOp comercial (o popular LM358 é ainda mais perfeito nesta topologia). E como a carga é ligada nesta topologia "drenagem de corrente"? simples: é ligada entre o coletor do transistor driver (que passa a ser o terminal "-" da fonte), e a tensão "VF" (que passa a ser o terminal "+" da fonte). Na figura a seguir mostro a topologia de "drenagem de corrente":

      Observe que nesta topologia, o transistor deve ser do tipo NPN, por isso está como TIP 142, que é o par complementar do TIP 147.

      O cálculo dos componentes, é praticamente idêntico à toplogia de "carga aterrada", porém no lugar de "VF" nas equações, usamos o GND, ou seja 0V, o que causa uma ligeira simplificação.

      Mais uma vez, fico à disposição para ajudar em quaisquer esclarecimentos e orientações.

     Abrçs,

     Elcids

errata:

     Devido à correria, acabei desenhando errado uma parte do circuito da topologia "drenagem de corrente", especificamente a parte referente ao potenciômetro P1 e resistor Ry, cujas posições no circuito ficaram "trocadas" no post anterior. Segue a figura com circuito corrigido:

    Assim, desculpe a "falha nossa".

   Elcids

Bela aula professor Elcids.

Parabéns pela explicação.

 

Por avaso tenho um esquema de uma fonte de tensão e corrente reguláveis para 8A.

Pelo que pude ler no post, o nosso amigo André, tem o componente mais "difícil e complicado"  que é o transformador. Para se fazer o controle destas duas grandezas existem diversas maneiras e componentes.

Apresento a fonte que comprei e espero que você possa utilizar em seu projeto.

Abçs,

J.Antonio

Bom dia, 

O LM338 regula até a corrente máxima de 5 A. Mas somente a tensão de saída pode ser ajustada com os potenciometros. 

http://www.ti.com/lit/ds/symlink/lm338.pdf

Acrescentando os dois transistores, mais corrente será fornecida. Mas também nesse circuito não é possível ajustar a corrente de saída. Só tem limitação de corrente máxima.

Você pretende montar uma fonte de bancada ? Sugiro que procure na WEB, exemplos de circuitos de fonte de bancada. 

Nos informe se encontrar, pois também tenho interesse. 

Bom dia José Gustavo,

Tenho esta fonte que citei acima e também uma outra de 0-24V - 5A que utilizo a um bom tempo, 

Aí vai:

Gente me desculpa pela a ninha falta de de talhamento no cicuito, eu quero agradecer pela pela aula que estar me dando Elcids Chagas  pelo José Antonio do Nascimentor, José Gustavo Abreu Murta, por me da uma dica.

sim eu sou Calouro nessa área.

@Elcids - o LM338T, e os diodos 1N4002 (D7 e D8) são para proteção deste LM338T. Esta é uma proteção contra corrente reversa excessiva proveniente de C4 e C5 quando a fonte é desligada, mas segundo o datasheet do LM338, ela só é necessária quando C4 e C5 tem valores muito altos.

eu não quis arriscar então coloquei mesmo se que não precisasse, por ser a primeira vez acabei colocando para não perder o meu regulador.

essa tensão no vf consigo abaixar sim

@Elcids - o AmpOp pode ter alimentação completamente diferente da tensão "VF". Por exemplo, na topologia de "drenagem de corrente" você pode estar usando o seu valor de 35,6V para "VF", e o AmpOp ser alimentado com apenas 5V.

- posso fazer um regular para ela da minha própria fonte será que daria?

obrigado

boa tarde André

    Pode sim, pois o consumo do LM358 e do circuito composto por "Ry" e "P1" será mínimo (provavelmente menos de 5 mA). Então praticamente qualquer regulador que consiga trabalhar com seu "VF" pode ser usado. Outra sugestão é usar um diodo zener para regular e gerar a tensão "VS" que alimenta o LM358 e o divisor de tensão "Ry , P1" (neste caso, coloque um capacitor de "bom valor" em paralelo com o zener, tipo uns 10uF de tântalo, e claro: calcule o resistor de zener adequadamente).

      Ah, não se esqueça que o LM358 tem dois AmpOp. Se usar apenas um deles, você não pode deixar o outro "largado". Aconselho ligar o outro na configuração de ganho unitário, como mostrado a seguir:

     Acho sensato sua opção por usar a topologia "drenagem de corrente", pois apesar de não permitir que a carga seja do tipo "aterrada", é mais factível de construir. Apenas quando estiver usando a fonte, cuidado para não se esquecer de que o terminal positivo da Fonte de Corrente, é o próprio "VF". Se você se esquecer disso e conectar esse terminal em ponto que tenha impedância muito baixa em relação ao GND, vai fluir uma corrente muito alta deste ponto para o próprio GND. Então fique atento a isto.

      Se vc tiver  qualquer dúvida sobre a implementação, me pergunte aqui.

      Abrçs.

      Elcids

estou fazendo esta modificação ja

(texto entrou no lugar errado)

.

parece bem legal esta fonte José.

      No entanto, como eu mencionei no post, não é possível ter simultaneamente nos mesmos terminais de saída da fonte, Tensão e Corrente constantes. Se isto fosse possível, qualquer carga ligada à fonte, teria sua resistência ôhmica determinada pela própria fonte (o que sabemos não é possível, já que a resistência elétrica é uma característica intrínseca dos materiais e substâncias).

     Então como dito antes, a palavra chave aqui é "simultaneamente". Fora isso, não há problemas.

    Abrçs.

    Elcids

boa noite André.

      Caso você precise de uma Fonte de corrente com "carga aterrada",  eu modifiquei o circuito desta topologia, de forma que você não precise de um AmpOp com tensão de alimentação próxima a "VF". Segue o circuito modificado:

 

    Observe que simplesmente fiz uma regulagem com um Zener, porém em relação ao "VF" (e não como tradicionalmente em relação ao GND). Isto permite que o AmpOp entregue tensões em relação ao "VF", permitindo total controle da corrente.

    O cálculo é exatamente o mesmo de antes (observe que as tensões para este cálculo ainda são em relação ao GND, como antes!!!).

    O único ponto a ter mais cuidado é em relação ao cálculo do resistor do Zener "Rz". Mas como a corrente consumida pelo AmpOp, P1, e Ry, é muito pequena, não será um problema.

    Atente que a tensão do Zener pode estar entre 5V e 9V (ou até mesmo chegar a 12V). Este valor é a própria tensão de tensão de alimentação escolhida para o AmpOp. Assim se vc resolver usar um AmpOp cuja a alimentação pode ser 5V, use o Zener de 5V também.

    Se for usar o LM358, uma boa escolha é um Zener entre 6 a 9 Volts.

    Qualquer dúvida, estou à disposição.

    Abrçs,

    Elcids

RSS

Destaques

Registre-se no
Lab de Garagem
Clicando aqui

Convide um
amigo para fazer
parte

curso gratis de arduino

© 2018   Criado por Marcelo Rodrigues.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço