Saudações a todos!

Esse é uma pergunta já manjada e, talvez, sem importância. Já foi discutida aqui, mas precisa ser atualizada

Já ouvi aqui no LAB e em outros sites que o Arduino é coisa de criança e não pode ser usado profissionalmente.

Você usaria o Arduino para controlar uma caldeira de uma indústria?

Acontece que a plataforma evoluiu muito e essa concepção precisa ser revista.

O primeiro erro é achar que "Arduino" é o Arduino UNO.

Não! O Arduino não é apenas uma placa. É um ecossistema formado por:

- Uma filosofia;
- Software;
- Hardware;

Dessa forma, podemos dizer que as placas ESP* da Expressif também pertencem a esse ecossistema, pois podem ser programadas pela IDE do Arduino e usufruir de todas as bibliotecas da comunidade. A mesma coisa quanto aos Attinys e etc, etc...

Os principais argumentos usados contra o Arduino pelo que levantei são:
- Não possui suporte a threads
- ADC de baixa resolução
- A IDE não possui recursos de DEBUG
- A placas não são homologadas no Brasil
- Usam software livre e, portanto, não garantem a propriedade do código

Alguns desses argumentos já não valem mais, pois as novas placas Arduino já possuem ADC de 12 bits e processadores de dois núcleos.
O ESP32 também é bem parrudo nesse sentido e vem com um RTC embutido.

Não vou me alongar muito.

- Vocês conhecem outras desvantagens em usar o "Arduino"?
- Usa "Arduino" em seus projetos permanentes e experimentou problemas ?

Exibições: 589

Responder esta

Respostas a este tópico

Marco,

        Concordo em 99% com tudo que você falou, porem (sempre há um porem), existe algo que não vi explicito em seu texto: A SITUAÇÃO DE CASO A CASO.

        Não sei se você teve oportunidade de ler o livro  Programação com Arduino II: Passos avançados com sketches - Simon Monk , se não leu eu recomendo, por sinal, quem recomendou ele aqui a algum tempo foi o Zé gustavo, eu o comprei, e como ele realmente não é para iniciantes nem pra gente como estômago fraco(no inicio até é), você tem que voltar, reler algumas vezes até entender bem alguns conceitos.

        Esse experimento que você diz ter feito com seus alunos e o BLINK, esta no livro, na sessão COMO TORNAR O ARDUINO MAIS RAPIDO,  óbvio que esse é apenas um dos exemplos que ele vai aprofundando o arduino rodar a velocidades incríveis.

        A questão é que no mesmo livro no capitulo seguinte, você encontrará COMO FAZER O ARDUINO RODAR COM O MINIMO DE ENERGIA, e você verá a magica, do cara colocar um arduino rodar com menos de 2mA.

        Obvio que a matematica é simples, mais desempenho=mais consumo,  dai volto ao 1% não que discordo, mas que tenho a acrescentar,  o Caso a Caso.

        Sim, existem microcontroladores ARM de 64bits que rodam a uma velocidade inimaginável pra um arduino, mas será que aquele seu projeto que monitora uma estação meteorologica precisa dele, afinal o clima, a temperatura demora a mudar, será que todo esse poder, e consequentemente todo esse consumo é o ideal ao seu projeto?

         Veja bem, se o nosso projeto pede o estudo de imagens e identificação facial atraves de calculos em pixels, isso obviamente não é o campo do arduino,  se desejado rodar multi programas, ou programas graficos com imagens em telas, com certeza esse não é o campo do arduino.

         Porem, você vai encontrar um monte de coisas que o baixo custo de um atmega328(no aliexpress tava saindo a R$ 4, comprando a partir de 10) vai valer a pena.

         Volto a focar na ideia TUDO DEPENDE DE CASO A CASO,  até que me mostrem o contrario, ou seja, teriam que me mostrar um microcontrolador que fosse em um só caso -Mais poderoso, ,-Com menor consumo eletrico, -Mais barato, -Mais facil de programar, -Com maior suporte da comunidade, -Com mais recursos(pinos funções, etc.)  se tiver isso, me informe que vou querer aprender.

Caro Weider

Não tive a oportunidade de ler o livro  Programação com Arduino II: Passos avançados com sketches - Simon Monk, mas obrigado pela dica.

Não só concordo totalmente com você como defendo a idéia, que talvez não tenha deixado claro no meu texto, de que cada caso é um caso. E o Arduino é mais um caso que pode ser utilizado do modo mais simples ou do modo avançado, então é possível ter múltiplos casos de uso, mesmo com o Arduino.

Só queria chamar a atenção, principalmente para quem está chegando agora no mundo da eletrônica, microcontroladores, que o conceito Arduino é um em um universo grande de fabricantes e ferramentas, e com novidades a cada dia.

Basta ver como fabricantes estão aderindo a onda de IDE´s na nuvem, quer dizer você não precisa mais se preocupar em instalar atualizar a  ferramenta de desenvolvimento. Sim, como tudo tem as vantagens e desvantagens, talvez seja util em alguns casos em outros não.

Os fabricantes para popularizar sua plataforma tem oferecido de graça ou quase  placas de desenvolvimento. Só para ilustrar em dezembro comprei da Texas uma placa com processador MSP por 4 dolares, chegou em 8 dias na minha casa pela Fedex, com frete e impostos pagos pela empresa. Resumindo uma bela placa por 12 reais,que de quebra tem a IDE Energia totalmente no estilo Arduino. E por ai vai.

Outro exemplo você compra umas placas com um Arm da STM por preço inferior ao de um Arduino Mini. Procure STM32 nos sites chineses e vai encontrar aos montes.

De momento é isso

Abraço

Marco 

  

Marco,

    O magistral de um forum como esse, é poder trocar conhecimento com profissionais de sua qualidade, assim como mestres como zé gustavo, marcondes, rui e outros, acho que isso não tem preço,  visto que por mais antenado, ninguem sabe tudo, e nem todo curso pago, consegue nos trazer as experiências que vivenciamos aqui.

    Bem, saindo um pouco da visão geral sobre o arduino, entendendo que ele tem um lado amador, maker, iniciante, e tambem um lado profundo e técnico, tudo a depender do profissional que use a ferramenta, vamos uma limitação pessoal minha.

    A minha principal dificuldade em sair não do arduino, mas do atmega,  é que outros microcontroladores como STM32 que você citou, normalmente vem em encapsulamento SMD.

    Como eu projeto, fabrico e depois monto minhas proprias placas,  soldar microcontroladores SMD, é uma experiência, que talves a melhor palavra seria "mistica", visto que você pode ir do inferno ao céu e vice versa em segundos kkk.

     Não sei se você já tentou a experiencia de soldar um CI de 100 pinos, como um atmega2560, sendo ele SMD, em uma placa projetada por você,  isso sem estação, usando apenas ferro de solda e pasta, cara...   melhor deixar pra lá.

      Por isso adoro meu atmega328p-pu em encapsulamento DIP 28 pinos, e já fiz coisa como attiny85 DIP com seus parcos 8 pinos, e como o ATMEGA1284 tambem DIP de 40 Pinos.

      Sei que microcontroladores como o STM32 vem em plaquinhas semelhantes ao arduino pro mini,  mas acho "deselegante" soldar placa em cima de placa,  me dá mais satisfação criar uma placa com componentes basicos, pois ali sei que se houver um X problema, ele estará naquele resistor, ou naquele capacitor que eu sei que projetei para tal função.

     Tambem sei que como vivo inventando coisas, uma hora posso criar algo que terei que mandar fazer nas fabricas chinesas de fabricação e montagem de pcbs em escala,  mas ai é outro caso, e nesse quesito, todos os chips da Atmel que citei tem versão em DIP e em SMD.

       Bem, ao menos na minha experiencia pessoal, esse é o limitante que me dificulta a sair do arduino, ainda que eu tenha mandado vir um Raspbery PI para começar a estuda-lo,  mas ciente que o universo dele é outro do universo do arduino, e que no universo do Pi, a colocação de uma montagem pronta como é a placa do RPI, é aceitavel,  algo que no mundo dos microcontroladores, seria muito extranho, você abrir um equipamento profissional, e dentro dele estar cheio de subplacas.

RSS

Destaques

Registre-se no
Lab de Garagem
Clicando aqui

Convide um
amigo para fazer
parte

curso gratis de arduino

© 2018   Criado por Marcelo Rodrigues.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço