Olá galera do laboratório de garagem. vocês poderia me tirar algumas dúvida?

Montei esse circuito da foto abaixo que desenvolvi é, testei com um auto falante de interfone (da parte interna da casa) e ele funcionou perfeitamente.

mas testei sem o amplificador externo classe AB.

após verificar que funcionou adicionei o 2 estagio do amplificador classe AB para ligar um auto falante de 8R 0.5mW, pois sem ele só com o 741 o som sai baixo.

após adicionar o amplificador classe AB o som sai muito distorcido principalmente no grave, então adicionei um filtro passivo passa baixa e passa alta na saída cortando em 300hz e 5000hz que abrange  a maior parte da frequência da voz humana.

mas mesmo assim o som sai distorcido chiado (como se fosse barulho de sacola de plastico) é, além de tudo após adicionar o som sai baixo. 

troquei os transistor bd139/140 por bc557/548 é mesmo assim o problema continua.

troquei o transistor Q5 por resistor e não funcionou também.

qual o problema deste circuito? o que posso fazer a mais para sair um som limpo e alto?

vocês tem algum esquema com componentes fáceis de encontra que melhore isso?, pois eu ia fazer com o lm386 e não encontro de jeito nenhum na minha cidade é na net o frete sai muito caro, ai optei fazer com 741 mesmo.

obrigado desde já por qualquer ajuda.

antes que eu me esqueça de mencionar... esse circuito é para amplificar o som de um mic de eletreto

Exibições: 124

Anexos

Responder esta

Respostas a este tópico

olá Gabriel.

      Parabéns pela iniciativa. Mas espero que vc tenha a mente aberta,  pois há diversos equívocos no seu Projeto.

      Vou tentar enumerar, seguindo seu circuito a partir do Microfone.

      1)  esta polarização que vc fez para o Microfone é questionável.  Veja:  parece que vc tentou fazer um divisor de tensão para exatamente metade da alimentação, como se fosse usar este "bias" para referência para o Microfone.  No entanto, o Microfone está em paralelo com R10,  e o resultado disso será diferente da impedância de R9, o que faz com que a tensão ali não seja a metade da alimentação.  Se foi isso que vc tentou obter,  precisará saber qual a Impedância nominal do Microfone,  pois ela precisaria ser muito maior (pelo menos 10x) que o valor de R9 e R10.

      De qualquer forma, esta topologia para o Microfone de Eletreto não é a mais indicada para o seu caso. Ocorre que o Mic só precisará de uma pequena corrente de bias (DC) passando por ele, e que será suficiente para ele funcionar.  Então, isto dispensaria o Resistor R10, já que existe acoplamento capacitivo entre o Mic e o primeiro estágio de amplificação, através de C5.

      Então, como obter o valor adequado para R9 ?  Veja este documento da Texas, especificamente o item 2.2 (na página 6):   tidu765.pdf

      Neste documento, vc poderá aprender outros "truques" também.

      2) no acoplamento do sinal do Microfone para o primeiro estágio do AmpOp (no caso vc disse estar usando um "741"), o valor de C5 está completamente equivocado, e se pode afirmar isso sem necessidade de fazer qualquer cálculo, mas mesmo assim vou mostrar isso com números:

      Ocorre que se vc considerar uma frequência "base" de 4 kHz para o sinal, o "XC" de C5 vai dar quase 40k,  já que o valor de C5 no seu circuito é de 1nF. Então pense:  qual vai ser o ganho do primeiro estágio, se o "XC" de C5 está em série com R12 ?  Certamente não será  R11/R12.

      Aqui o que vc precisa fazer é aumentar bastante C5, para que seu "XC" seja muito menor que R12, pelo menos umas 40x menor (se R12 é 2k2 como no seu circuito,  então o XC de C5 deverá dar algo como 50 Ohms).  Então com isso, confiavelmente vc poderá setar o Ganho do primeiro estágio.

      No entanto, observe que se vc aumentar R12,  para por exemplo 22k, será muito mais confortável dimensionar C5. Claro, vc precisará alterar R11 para obter o ganho que deseja no primeiro estágio,  mas mesmo assim a faixa de R11 ainda estará dentro de limites muito confortáveis.  Exemplo:  se usar 22k para R11,  e quiser um ganho de 10 no primeiro estágio, então bastará que R11 seja 220k.  Este é um ótimo "setting" para o primeiro estágio, pois se o sinal do Microfone estiver num range de digamos uns 50mV, a saída do primeiro estágio será de até 500mVpp (meio Volt de pico a pico), o que é um ótimo resultado.

      Ainda com relação a C5, no mesmo item 2.2 do documento da Texas que mostrei acima, vc encontrará mais informações sobre como determiná-lo, especificamente em relação à frequência de corte inferior do sinal neste ponto do circuito (já que C5 junto com R12 forma também um Filtro Passa-Alta).

      3)  no bias de metade da alimentação  formado por R1 e R2,  os valores estão Ok e a forma como está aplicado aos dois estágios de amplificação também está Ok.  Mas aconselho colocar dois capacitores em paralelo com R2:  um Eletrolítico de 10 uF e um Cerâmico de 220 kpF.  Em realidade, o eletrolítico pode ter qualquer valor entre 10uF e 47uF,  e o Cerâmico qualquer valor entre 220 kpF e  470 kpF.  Sem estes capacitores,  qualquer ruído presente na alimentação irá se propagar pelo amplificador, como se fosse "faca quente na manteiga" (inclusive ruídos injetados na alimentação devido ao acionamento do próprio Alto-Falante no estágio de saída),  então é melhor acrescentá-los.

      4) o ganho do segundo estágio, pode ser ajustado entre 0 (zero) e algo próximo de 4, ajuste este feito em "RV1".  Dessa forma, este estágio também funciona como um controle de volume.  E o acoplamento entre este estágio e o primeiro, está perfeito (já que o primeiro estágio possui uma baixa impedância de saída,  e o sinal já tem o "bias" da metade da alimentação).

      Se considerarmos que o sinal proveniente do primeiro estágio tem por exemplo 500mV de variação máxima,  então o sinal na saída do segundo estágio alcançará um range de cerca de 2Vpp (dois Volts de pico a pico), quando "RV1" estiver ajustado para volume máximo (Ganho próximo de 4).  É um bom valor, principalmente considerando que o Alto-Falante na saída é o que vc mostra na figura (ou seja não é de alta-potência). Considerando que o estágio de Potência reproduza este range de tensão, e que seu Alto-Falante é de 8 Ohms, então a Potência RMS  na saída poderá alcançar:  

                P(RMS) = ( ( 1 V / raiz(2) )^2 ) / 8 =  88 mW

      Observe que na equação o valor de 1V é o valor de pico e não o de "pico a pico" (2V).

      Ou seja,  arredondando,  quase 100mW.  Pode parecer baixo, mas para um Alto-Falante pequeno e se próximo aos ouvidos, será bem adequado.  Mas caso vc não ache suficiente, vc tem duas alternativas:  aumente o ganho do segundo estágio e para isto aumente RV1 (evite diminuir R8),  ou então use um Alto-Falante com 4 Ohms de impedância. Claro, a mudança da impedância do Alto-Falante pode não ser o melhor para vc, pois teria que usar outro falante, ou usar dois de 8 Ohms em paralelo, e isto certamente será mais custoso que mudar RV1.

      5) agora o ponto mais crítico desse seu Amplificador:  o estágio de saída (ou de Potência, se assim preferir).  A pergunta que faço aqui é:  porque vc não usou um acoplamento clássico, ou seja um acoplamento "didático convencional" entre o segundo estágio e o estágio de saída "AB" ?

      Veja:  a saída do seu segundo estágio já tem a polarização ("bias")  na metade da alimentação. Então isto  proíbe  vc de aplicar o sinal da saída de "U1"  à base de Q5,  mas vc fez isso, e claro o resultado foi desastroso.  Ocorre que do jeito que está no seu circuito, a máxima tensão permitida na base de Q5 seria entre 0.6V e 0.8V,  mas a saída de "U1"  já fornece um bias na metade da alimentação (ou seja 6V). Então é nisso que deu:  um acoplamento totalmente inadequado entre o segundo estágio e o estágio de saída,  e consequentemente um sinal totalmente distorcido no Alto-Falante (será tão ruim que nem imagino como é, mas acho que vc já disse:  de dentro de uma "sacola de plástico").

      Detalhe:  do jeito que está no seu circuito com Q5,  provavelmente U1 está aquecendo bem, quando ele deveria ficar "frio".

      Então o que fazer no estágio de saída?

      Aconselho a usar uma topologia e polarização clássica para o "AB".  Veja como:

      O "AB" é um "Amplificador Coletor Comum", e portanto tem Ganho DC igual a 1, ou seja: não amplifica o sinal,  mas é capaz de fornecer correntes mais altas graças à possibilidade de se usar Transistores mais potentes com seus respectivos dissipadores de calor (se necessário).

      Para polarizá-lo de forma clássica,  use para a corrente que flui pelos diodos, 10% da corrente que fluirá nos Transistores de Potência.  Para seu caso Gabriel,  com uma Potência RMS de 100mW e carga de 8 Ohms, a corrente RMS na saída será:

                I(RMS) =  raiz quadrada( 100mW / 8 Ohms) =  111 mA

      Então 10% disso será  11 mA.

      A corrente de polarização ("bias") será a tensão de alimentação descontando a queda nos diodos, e dividido pelos dois resistores em série com os diodos, e no seu circuito isto seria:

               I(bias)  =   ( 12V - 0.7V  - 0.7 V) / ( 2 * 470 Ohms)  =  11 mA

      Ou seja,  no seu circuito a polarização já seria a clássica,  se vc eliminar RV2 (além do valor estar totalmente equivocado, RV2 não está servindo pra nada),  e substituir Q5 por um Resistor de 470 Ohms (deve ser mesmo valor de R5).  Ou seja, ficaria assim o estágio de saída:

(clique na figura para "zoom")

      Observe que não coloquei o partnumber dos Diodos.  Ocorre que o 1N4007 que vc usou em seu circuito é inadequado,  pois o 1N4007 é um diodo retificador "lento".  Use Diodos de sinal, como o 1N4148.

      Sobre os Transistores de Saída,  não se esqueça de eventuais dissipadores caso necessário (lembre-se que um Classe "AB"  já tem uma potência sendo dissipada constantemente devido ao "bias" de 10%).  Claro se forem necessários dissipadores, estes serão pequenos devido à baixa potência de saída, mas acredito que não sejam necessários.

      O circuito ficaria ficaria como mostrado na figura a seguir:

(clique na figura para "zoom")

      Observe que mantive o valor de R9,  e alterei C5 para 1uF (preferencialmente tipo cerâmico, mas um eletrolítico pode ser usado aqui).  Aproveite Gabriel, e calcule o "XC" de C5,  considerando uma gama de frequências indo de 100 Hz a 5 kHz.

      Note também os dois Capacitores em paralelo com R2. Sobre eles, eu comentei no texto acima, e são muito importantes.

      Uma outra dica sobre a polarização do "AB":  se vc colocar em série com a base de cada um dos Transístores de saída (o BD139 e BD140),  um Resistor de por exemplo 10 Ohms,  isto ajudará bastante a compensar pequenas discrepâncias no circuito de polarização do "AB".  Mas esta é uma dica mais pra quem quer fidelidade máxima de Áudio (o valor do resistor está ligado à potência na saída).

      O restante não tem muito mais o que dizer.  Mas se puder, use um AmpOp mais "moderno" que o "741", como por exemplo o TL072 (ou outro dessa família), ou então o LM358.  (se sobrar algum AmpOp, ele não deve ser deixado "largado":  ligue-o como seguidor de tensão),  E não se esqueça que o Mic de Eletreto pode ter polaridade para ser ligado.

      Detalhe muito importante:  qualquer trilha ou ligação das entradas negativas dos AmpOp usados como Amplificadores (as entradas "-") ,  devem obrigatoriamente  serem as mais curtas possíveis,  pois estes são os pontos mais sensíveis a ruídos no Sistema.

      Ah, procure fazer os desenhos dos circuitos, sem ficar largando as identificações em qualquer lugar,  pois algumas nem dá pra ler no seu desenho.  E veja:  "Auto Falante" está incorreto.  O correto é "Alto Falante" (do inglês  "Loudspeaker").

      Qualquer dúvida, não deixe de perguntar.

      Abrçs,

      Elcids

olá novamente Gabriel.

      No texto acima tem um erro no resultado do cálculo da Potência (que no meu cálculo deu 88mW).  A equação está correta,  mas o resultado numérico está incorreto. E fazendo a correção fica assim:

              P(RMS) = ( ( 1 V / raiz(2) )^2 ) / 8 =  62.5 mW

      Observe que a Potência final estimada é bem mais baixa que os 100mW que usei como referência para as demais análises.  Para compensar esta diferença, basta aumentar o Ganho total.  Veja no circuito na figura a seguir, que aumentando  R11  para 330k,  o ganho do primeiro estágio será 15 (antes era 10), dessa forma compensando a diferença.

(clique na figura para "zoom")

      Aproveito para comentar,  que o Filtro RC passivo de dois estágios  que vc colocou no seu circuito original,  também está bastante equivocado.  Antes de tudo,  ele só deve ser ligado em estágios que não sejam de potência,  pois este Filtro tem uma impedância característica que é muito alta para o estágio de saída (ou seja, compromete completamente a Potência de Saída).  E  também muito importante:  o casamento de impedâncias entre os dois estágios  do Filtro está completamente errado.   E ao ligá-lo, também deve-se casar a impedância com os estágios de amplificação (o que é simples, mas pode necessitar um AmpOp adicional).

      Para fazer o casamento de impedâncias entre o primeiro e segundo estágio deste Filtro,  a impedância do segundo estágio  deve ser 10x maior que a do primeiro estágio.  Se não for assim, a atenuação ficará completamente comprometida,  pois um Filtro irá afetar a performance do outro (o primeiro estágio será o mais afetado).

      Caso queira ver como dimensionar este filtro, pergunte aqui,  e te mostrarei como fazer o casamento de impedância (é bastante simples).   Mas se vc fizer as alterações que sugeri,  vc nem precisará usar um Filtro desse tipo.

      Mais uma vez, parabéns pela sua iniciativa em fazer o Amplificador. E não deixe que aqueles pequenos equívocos atrapalhem vc neste caminho.

      Abrçs,

      Elcids

Boa tarde Elcids!.

Sem palavras para sua explicação, a melhor e mais completa que já li na internet.

muito obrigado pela ajuda!.

vou tentar testar na pratica hoje ainda esse circuito que você desenvolveu e falo aqui o desempenho!.

se não for incomodo me explica como funciona o casamento de impedância dos estagio que você diz de filtro ativos?

sobre livros que aborda  assuntos de amplificador de áudio, você teria algum para sugerir?.

Bom dia Elcids!.

Volto aqui para dar um feedback do circuito!.

O circuito funciona perfeitamente, os transistor esquenta um pouquinho mas nada que um dissipador pequeno resolva.

Como é para interfone tive que fazer alguns ajuste como da foto abaixo para obter um melhor ganho do microfone.

Ele chia um pouquinho mas nada que atrapalhe muito. (acho que pode ser até ser por causa do circuito esta montado na protoboard).

Contudo, obtive o melhor desempenho usando uma fonte com um Trafo comum 127/220V 60Hz, com fonte chaveada percebi que chia muito mais.

Adicionei um Atmega328p como na imagem abaixo para soar o som de uma campainha.

Nesse link explica como toca MP3 só com o Arduino : https://www.instructables.com/id/Talking-Arduino-Playing-a-MP3-With...

Mais uma coisa, se colocar o auto falante e o microfone em uma boa "caixa" acústica o som melhora ainda mais o desempenho.

Fiz no paint a foto pois não deu para fazer no proteus.

Mais uma vez, obrigado pela explicação :D !.

olá novamente Gabriel.

      Sobre o Amplificador em si, estou respondendo no post seguinte.

      Aqui neste post falarei um pouco sobre o casamento de impedâncias entre estágios de filtragem, conforme vc perguntou.

      Antes de tudo,  acredito que vc estava se referindo a Filtros "Passivos", e não aos "Ativos".  Filtros já são um assunto bastante denso, que além de exigir um conhecimento bem sólido em eletrônica,  necessita também de uma matemática que provavelmente seria bastante indigesta se eu usasse aqui (com por exemplo "Transformadas de Laplace"). Além disso, Filtros Ativos podem ser instáveis se não forem corretamente dimensionados, o que exige mais cuidado no Projeto (uma das formas de se evitar esta instabilidade é calcular o "Lugar das Raízes", que é algo pelo menos 10 vezes mais indigesto ainda).

      A regra básica para o Casamento de Impedância em Filtros, é que a que já mencionei antes:  a impedância do estágio seguinte deve ser pelo menos 10 vezes maior que a de um estágio atual. Entenda:  esta é uma "Regra de Projeto". Se vc não segue esta regra, não significa que seu filtro não vai funcionar. Significa apenas que ele não terá a "máxima" performance possível. E se vc usar esta regra, também significa que vc terá a liberdade de alterar um estágio de filtragem (sem exagerar nas frequências de corte, é claro) sem se preocupar com os demais estágios. Então pode-se dizer que é também uma regra de conveniência (ou de bom senso) em Projeto. Como sou Projetista, sempre sigo esta regra de filtros desde que o professor ensinou e demonstrou isso em sala de aula (isso foi em 1985), e por isso estimulo o uso de regras de projeto.

      Dê uma olhada no seu filtro, onde evidenciei os dois estágios na figura a seguir:

(clique na figura para "zoom")

      A entrada do filtro é a tensão "Vin", sendo a saída "Vout". Mas observe que marquei a tensão "V1", que é a saída do primeiro estágio e a entrada do segundo estágio de filtragem. Ou seja, o sinal filtrado pelo primeiro estágio é entregue ao segundo estágio para uma filtragem adicional.

      No entanto, se olhar com mais cuidado, verá que todo o circuito do segundo estágio, está em paralelo com o Resistor R20. A melhor forma de se ver isso, é lembrar que todo o circuito do segundo estágio corresponde a uma impedância "Z" que podemos chamar de "Z2", e que é mostrada na figura a seguir:

(clique na figura para "zoom")

      Ou seja,  "Z2" está em paralelo com R20. Mas "V1" na verdade é o resultado de um divisor de tensão (que é o princípio básico de qualquer filtragem) entre a impedância de C20 (seria "XC20") e o paralelo de R20 com "Z2".  Todos sabemos que R20 em paralelo com "Z2"  será sempre menor que o próprio R20.  Ou seja, Tanto a frequência de corte do primeiro estágio quanto a atenuação esperada, terão outros valores que o inicialmente calculado apenas usando C20 e R20.  Quanto será esse desvio?  Dependerá exclusivamente de "Z2".  Se a impedância "Z2" for alta o suficiente, ela poderá ser desconsiderada no cálculo do primeiro estágio, pois sua influência será mínima. E uma regra usada em Projetos para isso, é que a impedância "Z2" seja pelo menos 10 vezes maior que R20.

      O que pode ser um complicador aqui, é que a impedância "Z2", varia com a frequência do sinal. Então precisamos usar nossa esperteza para resolver esse complicador. Se vc olhar na primeira figura,  verá que "Z2" é a soma de R30 com a impedância de C30 (seria "XC30"). Logo, a impedância "Z2" jamais será menor que o próprio R30. Então basta que R30 seja pelo menos 10 vezes maior que R20, e a regra terá sido aplicada.  Simples assim.

      Mas podemos ser um pouco mais "espertos" ainda. Normalmente as tensões nos circuitos eletrônicos são um valor baixo, dificilmente passando dos 5V. Para essa faixa de tensão, se as impedâncias estiverem na faixa de 2k, 5k, 10k , as correntes dificilmente passarão de alguns poucos mili-amperes, o que é muito desejável por uma série de motivos. Logo, porque não fazer o primeiro estágio do filtro tendo uma impedância de alguns kilo Ohms ? Assim Garbirla, aplicando esta outra regra juntamente com a regra do casamento de impedância, pode-se usar o seguinte circuito para o seu Filtro:

(clique na figura para "zoom")

      Calcule as frequências de corte, e verá que são praticamente as mesmas do seu filtro original. Porém as impedâncias estão na casa dos kilo Ohms. Veja que R31 poderia ser 24k (10 vezes maior que R21), mas isso implicaria em C31 ser maior que 1uF, o que não é desejável por motivos práticos. Então fazendo R31 ser de 33k, não somente aumenta a impedância do segundo estágio, como também permite que C31 seja de 1uF (como eu disse, muito desejável por motivos práticos já que este capacitor deve ser do tipo Cerâmico).

      Mas a coisa pode melhorar ainda mais. Ocorre que a Filtragem é uma "operação" linear. Isto nos permite trocar a "posição física" dos Filtros, ou seja,  colocar os estágios em outra ordem. Veja o circuito na figura seguinte:

(clique na figura para "zoom")

      Veja que o Passa-Baixas é agora o primeiro estágio, e o Passa-Altas é o segundo estágio de filtragem. Com essa "manobra",  pode-se aumentar ainda mais a impedância do primeiro estágio. E como consequência da aplicação da regra de casamento de impedância, pode-se também aumentar ainda mais a impedância do segundo estágio. Além de que os capacitores foram reduzidos para 10nF, o que é ótimo em termos práticos.

      Então isto tudo, são aplicações de regras práticas e de bom censo em Projeto.

      Para completar com um outro exemplo, simulei um caso clássico, que é extrair a primeira harmônica de uma onda quadrada. Usei um sinal quadrado de 100 Hz, mas vc pode fazer o mesmo para outra frequência bastando apenas recalcular os filtros. Veja o circuito e o resultado na figura a seguir:

(clique na figura para "zoom")

      Observe no circuito o casamento de impedância entre os três estágios de filtragem, onde R5 é 10x maior que o valor de R4 que é 10x maior que o valor de R3. E por uma consequência disso, C5 é 10x menor que C4 que é 10x menor que C3.  Mas todos os três estágios possuem a mesma frequência de corte, o que garante uma atenuação de até 60 DB  fora da banda de passagem, assim praticamente eliminando todas as harmônicas exceto a fundamental de 100 Hz. Ou seja, os três estágios de filtragem podem ser usados para gerar uma senóide com a mesma frequência da onda quadrada que é "injetada" no circuito. O circuito para simulação no Proteus é este:   "Conv_Quad_Seno_01.zip"

      Sobre livros, é algo difícil de falar, pois a quantidade existente é bem extensa. Mas em se tratando de circuitos eletrônicos eu recomendaria o livro "Teoria e Desenvolvimento de Circuitos Eletrônicos" dos autores Cipelli/Sandrini, que apesar de já um pouco antigos, tem bons exemplos práticos e podem ser adquiridos usados por bons preços na Internet. Mas existem muitos livros bons por aí afora.

      Espero que tenha ajudado a elucidar a questão.

      Abrçs,

      Elcids

ainda a tempo:

      Acho que eu estava meio zonzo quando li o valor de C31 no circuito da terceira figura no post acima. Li como sendo 1 uF, mas na verdade eu mesmo especifiquei para 1 nF (ou 1 kpF). Então desconsidere a observação que fiz relacionada ao valor de C31 ser de 1uF, já que não tem sentido.

      Neste caso, se R31 for setado para 24k,  então o valor de C31 seria um pouco maior que 1nF,  mais próximo de 1.3nF. Como este valor seria complicado comercialmente falando,  torna-se claro que a melhor opção é usar 1nF para C31 e 33k para R31 (e de fato foi isso que fiz, mas acabei me esquecendo). Desculpe pela confusão.

      Abrçs,

      Elcids

olá Gabriel.

      Conforme eu havia mencionado, o Classe AB sempre já possui uma dissipação de potência, que é o "preço" pago por se usar uma corrente de polarização que é cerca de 10% da corrente de coletor do estágio de saída. A potência máxima final dependerá da excursão do sinal (ou seja, da amplitude na saída, que por sua vez depende da tensão da fonte que alimenta o circuito) e da impedância do Alto-Falante. E deve-se considerar o uso de dissipadores nos Transistores, caso necessário.

      No seu Amplificador que alterei inicialmente,  esqueci de filtrar o próprio sinal do Microfone. Sem esta filtragem, o sinal do Microfone fica sujeito a ruídos da fonte de alimentação. Mas esta filtragem é algo simples de se fazer. Veja como pode ser feito na figura a seguir:

(clique na figura para "zoom")

      O Resistor original R9 de 10k, foi substituído por R91 e R92, ambos de 5k1. A tensão de polarização do Microfone na junção de R91 com R92, é filtrada com o acréscimo de um Capacitor de 10uF e um de 220kpF, idênticos aos usados na filtragem da tensão de referência do Amplificador. Isto garante uma corrente de polarização "limpa" para o Microfone.  (Nota: não aproveitei a própria tensão de referência do Amplificador, porque isso implicaria em alterar todos os componentes que geram e filtram essa tensão a fim de impedir a alteração dessa mesma tensão).

      Dessa forma, o circuito fica praticamente imune a ruídos existentes na fonte de alimentação.

      Para acrescentar uma entrada adicional, conforme vc fez para um sinal vindo do Arduino,  aconselho colocar um Resistor em série com os capacitores de acoplamento, reduzindo assim a intensidade das correntes AC que fluem entre os dois circuitos (Microfone e Arduino). Veja no circuito a seguir como ficaria:

(clique na figura para "zoom")

      Os Resistores aos quais me referi, são R121 e R122 no circuito da figura anterior. Veja que diminui R12 para compensar o acréscimo destes resistores. No circuito, os componentes R12, R121, R122, C51, e C52, essencialmente formam um "mixer" de sinal, com impedância casada com o restante do circuito.

      Atenção aos tipos dos Capacitores usados no circuito, conforme mencione no primeiro post.

      Abrçs,

      Elcids

Boa noite Gabriel, 

O estágio de potência esta meio esquisito! Você se baseou em algum circuito?

Favor indicar de onde tirou esse circuito. 

Boa tarde José Gustavo!,

Depois de passar vários dias procurando em livros como do malvino, videos do youtube, sites, datasheet, acabei chegando nesse circuito.

muitos luga não trata com clareza sobre esse assunto ai juntei tudo que aprendi é pratiquei nos simuladores como proteus, ltspice e multisim!, mas o que mais testei foi no proteus é o ruim do proteus que tudo que você faz la nada da errado tudo funciona perfeitamente e na pratica muita coisa funciona totalmente diferente de la :(.

Depois da aula do Elcids Chagas  não consigo falar mais nada...

Mas, digo como resolveria: Usando o LM386 ou qualquer outro amplificador de audio que vc tenha.

O LM386 é meio elitizado, meio coisa de mundo academico. O mundo comercial usa outras linhas.

Os mais usados para novos projetos são da linha PAM

Vide:

https://www.diodes.com/assets/Datasheets/PAM8403.pdf

É ele que vc vai encontrar por ex numa caixa de som bluetooth de camelô (possivelmente).

Os aparelhos de consumo (TV) antigos, vitrola, radio de carro padrão philco, antes do stereo usavam muito a linha TDA.

Vide:

http://blog.novaeletronica.com.br/modulo-amplificador-de-audio-usan...

Os mais modernos e potentes outro TDA:

https://www.digchip.com/datasheets/parts/datasheet/364/TDA1510-pdf.php

Para radinho de mão, radio relogio, etc, vc encontra muito o TBA820

Vide:

https://www.st.com/resource/en/datasheet/CD00000118.pdf

Melhor que ele e popular tem ainda:

https://www.nxp.com/docs/en/data-sheet/TDA7052.pdf

Que é stereo ou mono com mais potencia. Vc escolhe.

Enfim, já está resolvido por 741 tá otimo, mas para quem consultar o topico saiba que existem outros amplificadores mais faceis de encontrar que o LM386, especialmente por serem usados em mais produtos.

Boa tarde Eduardo Henrique!,

gostei das sugestões, quando eu for montar um amplificador mais potente, vou testa com algum destes.

RSS

Destaques

Registre-se no
Lab de Garagem
Clicando aqui

Convide um
amigo para fazer
parte

curso gratis de arduino

© 2019   Criado por Marcelo Rodrigues.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço